As melhores práticas dos Estados-Membros em relação à Carta

Portugal

Conteúdo fornecido por
Portugal

Utilização e sensibilização a nível nacional para a importância da Carta

Políticas governamentais que promovam a utilização e a sensibilização para a importância da Carta junto do poder legislativo, da administração pública, das polícias e do poder judicial

Referências específicas ou explicações sobre a aplicação da Carta

  • Em 2019, a Direcção-Geral da Política de Justiça (Ministério da Justiça) elaborou um roteiro sobre a aplicação da Carta no contexto da implementação dos fundos europeus dirigido aos profissionais com atuação neste domínio.

Formação sobre a aplicação da Carta

  • Formação dirigida a magistrados e outros profissionais do direito:
    • O Centro de Estudos Judiciários (CEJ) oferece formação inicial e contínua aos juízes e procuradores, tanto sobre direito da União Europeia em geral, como centrada em matérias específicas do direito da União. Esta formação engloba a Carta. Os advogados e outros profissionais do direito também podem participar nas conferências e seminários organizados pelo CEJ;
    • Em 2018, o CEJ organizou uma formação de dia inteiro especificamente sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) e a Carta - o programa, vídeo e textos relevantes podem ser encontrados aqui.
  • Formação dirigida a beneficiários envolvidos na execução de fundos da UE:
    • Em junho de 2019, a Direcção-Geral de Política de Justiça realizou uma ação de formação destinada a todas as entidades do Ministério da Justiça sobre a aplicação da Carta no contexto da implementação dos fundos europeus.

Instrumentos que ajudem a compreender melhor a Carta e os casos em que é aplicável

  • Dirigidos aos profissionais (legisladores, administração, polícias, sistema judicial, profissionais da justiça):
    • O CEJ publica regularmente um newsletter sobre a jurisprudência do TJUE - http://www.cej.mj.pt/cej/newsletter_tjue_cej/newsletter_tjue_cej.php;
    • Em 2019, a Direcção-Geral da Política de Justiça (Ministério da Justiça) elaborou um roteiro sobre a aplicação da Carta no contexto da implementação dos fundos europeus dirigido aos profissionais com atuação neste domínio.

Utilização e promoção de instrumentos relacionados com a Carta elaborados por outros Estados-Membros ou outras partes interessadas da UE

O site do Ministério da Justiça dedica uma página à Carta – na qual é feita referência às ferramentas disponibilizadas pela Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA), com ligação para o respetivo site.

Cooperação com as partes interessadas na promoção e a sensibilização para a importância da Carta dos Direitos Fundamentais da UE

Exemplos de cooperação entre os organismos de defesa dos direitos e as autoridades nacionais que tenham contribuído para uma maior sensibilização e utilização da Carta

[N/A]

Exemplos de cooperação entre as autoridades nacionais e as universidades que tenham contribuído para uma maior sensibilização e utilização da Carta

[N/A]

Exemplos de iniciativas não governamentais que promovam a utilização e a sensibilização para a Carta no seu país

  • Projeto «A Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia "em acção"»

    Este projeto foi financiado pela Direcção-Geral da Justiça da Comissão Europeia e desenvolvido por um consórcio de universidades europeias (Institut de Drets Humans de Catalunya, Universidade de Utrecht - Faculdade de Direito de Utrecht, Universidade de Szczecin). Em Portugal, foi coordenado pelo Observatório Permanente de Justiça do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e envolveu o Conselho Superior da Magistratura, o Ministério Público, o Centro de Estudos Judiciários e a Ordem dos Advogados. O principal objetivo do projeto consistia em desenvolver um amplo programa de formação com vista a reforçar as competências dos atores judiciais para a aplicação da Carta, conduzindo a uma sua melhor interpretação e aplicação. Para além de contribuir para ultrapassar as dificuldades relacionadas com a falta de conhecimentos acerca da Carta, alertando para a importância da sua maior divulgação, visava melhor clarificar a sua relevância a nível nacional e ao nível do Espaço Europeu de Justiça.

    No contexto deste projeto foram organizadas várias formações e conferências em 2018, dirigidas principalmente aos atores judiciais. Neste contexto, foi também disponibilizada formação online: https://ces.uc.pt/cfr/moodle/.

    Do projeto resultou ainda um Manual de Boas Práticas e um Manual de Formação.

    Todas as informações relativas a esta iniciativa estão disponíveis em: https://www.ces.uc.pt/cfr/.
  • Projeto "E-Learning National Active Charter Program" (e-NACT)

    Financiado pelo Programa Direitos Fundamentais e Cidadania da Comissão Europeia, o projeto envolve várias universidades europeias, incluindo o Centro de Investigação de Direito Público da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (CIDP). Esta iniciativa visa proporcionar uma metodologia de formação e atividades formativas que, aliadas à experiência dos formadores envolvidos, fomentem a emergência e a consolidação de uma cultura comum de direitos fundamentais.

    No âmbito deste projeto, são também ministradas formações e-learning e disponibilizados handbooks temáticos relativos a diversas áreas do direito.

    Em 2019, foram organizados três workshops – sobre Protecção de Dados, Asilo e Migração e Liberdade de Expressão –, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, dirigidos principalmente a advogados, juízes e magistrados do Ministério Público – https://www.icjp.pt/cidp/eventos/17759/programa.

    Para saber mais sobre todo o projeto, consulte: https://cjc.eui.eu/projects/e-nact/.
  • Conferência "A Carta dos Direitos Fundamentais da UE e o Ativismo do TJUE: um catálogo de direitos resistente às ameaças?"

    Em 2017, a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa organizou uma conferência sobre a Carta e o ativismo judicial do TJUE. Na sequência desta conferência, foi publicada, em 2018, uma edição da e-Pública – Revista Eletrónica de Direito Público dedicada ao tema (Vol. 5 N.º 2 Julho 2018).
Última atualização: 07/09/2021

As diferentes versões linguísticas desta página são da responsabilidade dos respetivos Estados-Membros. As traduções da versão original são efetuadas pelos serviços da Comissão Europeia. A entidade nacional competente pode, no entanto, ter introduzido alterações no original que ainda não figurem nas respetivas traduções. A Comissão Europeia declina toda e qualquer responsabilidade quanto às informações ou aos dados contidos ou referidos neste documento. Por favor, leia o aviso legal para verificar os direitos de autor em vigor no Estado-Membro responsável por esta página.