Percurso de navegação

menu starting dummy link

Page navigation

menu ending dummy link

Enquadramento geral


As novas tecnologias vieram alterar as formas tradicionais de conduzir as acções judiciais. Fornecem também instrumentos para aumentar a eficiência, a flexibilidade e as vantagens para todos os participantes – tribunais, partes e também testemunhas.


Videoconferência – para quem e porquê?

A videoconferência é um instrumento com grande potencial no contexto da UE e respectivos 28 Estados‑Membros.

Alguns países têm experiência prática de organização de videoconferências entre autoridades de diferentes regiões do mesmo país ou de outros países.

No contexto do Portal Europeu e-Justice, os Estados-Membros da UE acordaram num trabalho conjunto para promover a utilização da videoconferência e o intercâmbio de experiências e boas práticas. Este trabalho será realizado no âmbito do quadro normativo vigente e respeitará as garantias processuais previstas a nível dos Estados-Membros e da UE.

Nos processos transfronteiriços a comunicação entre as autoridades judiciais de diversos Estados-Membros é essencial. A videoconferência é um dos meios possíveis para simplificar e incentivar essa comunicação.

A utilização de equipamento de videoconferência permite aos tribunais maior flexibilidade para a audição de testemunhas e peritos de outros Estados-Membros, quando estes devam prestar depoimento.

  • Para as testemunhas ou os peritos, poderá ser mais conveniente prestar depoimento sem ter de viajar.
  • Para testemunhas vulneráveis ou intimidadas, reduz a tensão de enfrentar uma sala de audiências cheia de gente.
  • Se necessário, pode ser prevista a interpretação durante a videoconferência.
  • A videoconferência é mais barata para todos os participantes.

Quadro normativo

Há inúmeras possibilidades de organizar videoconferências transfronteiriças ao abrigo da legislação da União Europeia em vigor, nomeadamente para proceder à audição de testemunhas, peritos ou vítimas através de videoconferência, nos termos de diplomas como:

A brochura em anexo dá-lhe uma visão geral do quadro normativo aplicável – informações mais completas no manual.

Planos para o futuro

Os Estados-Membros acordaram em continuar o trabalho no sentido de facilitar o recurso à videoconferência. No futuro, quando se afigurar adequado, o Portal Europeu e-Justice incluirá outros instrumentos para este efeito. Em particular, os planos para o futuro poderão incluir:

  • ligações para legislação da UE e dos Estados-Membros que regula a utilização da videoconferência;
  • informações fiáveis sobre todos os tribunais dos Estados-Membros que dispõem de equipamento de videoconferência;
  • instrumentos para a realização de videoconferências (formulários electrónicos e eventualmente, a longo prazo, um sistema de reservas);
  • ligações para instruções ou manuais nacionais disponíveis;
  • uma secção que inclua exemplos de videoconferências em processos transfronteiriços e uma recolha de boas práticas;
  • informações sobre formação e módulos de formação em linha;
  • ligações para bases de dados interligadas de intérpretes.

Documentos importantes

BrochuraPDF(3073 Kb)pt


Manutenção da página: Comissão Europeia. As informações constantes desta página não refletem necessariamente a posição oficial da Comissão Europeia. A Comissão declina toda e qualquer responsabilidade relativamente às informações ou dados contidos ou referidos no presente documento. Quanto às regras de direitos de autor aplicáveis às páginas europeias, queira consultar a «advertência jurídica».

Última atualização: 27/04/2016