Zavřít

BETA VERZE PORTÁLU JE JIŽ K DISPOZICI!

Vyzkoušejte si BETA verzi evropského portálu e-Justice a dejte nám vědět, jak se Vám s ní pracuje!

 
 

Cesta

menu starting dummy link

Page navigation

menu ending dummy link

Caso o meu pedido deva ser analisado neste país - Irlanda

Tento text byl přeložen strojově. Za kvalitu překladu neručíme.

Kvalita tohoto překladu byla ohodnocena známkou: dobrá

Jak byste ohodnotili kvalitu tohoto překladu?


Que tipo de crimes pode dar origem a uma indemnização?

A indemnização pode ser concedida pelo Criminal Injuries Compensation Tribunal (Tribunal) ao abrigo do Regime de Indemnização por Indemnizações Pessoais Criminais (o «Regime»)

  • Indivíduos que tenham sofrido um dano pessoal, se o dano for diretamente imputável a um crime denunciado de violência ou
  • Indivíduos que tenham sofrido danos pessoais em circunstâncias decorrentes da sua ação para ajudar ou tentar ajudar a prevenir um crime denunciado ou a salvar vidas humanas, ou
  • Pessoas a cargo de uma vítima que tenha morrido devido a um crime violento.

As lesões (fatais e não fatais) devem ter ocorrido no Estado irlandês ou a bordo de um navio ou aeronave irlandês.

Que tipo de danos pode dar origem a uma indemnização?

Pode ser concedida uma indemnização por danos pessoais se os danos forem diretamente causados por um crime denunciado de violência.

Posso receber uma indemnização se for familiar ou depender financeiramente de uma vítima que tenha perdido a vida na sequência de um crime? Que familiares ou dependentes podem receber uma indemnização?

As pessoas a cargo de uma vítima que tenha morrido em resultado de um crime violento podem requerer uma indemnização ao abrigo do regime. A definição de pessoa dependente consta da section 47 (1) do Civil Liability Act 1961, na sua versão alterada.

Esta disposição prevê que uma pessoa dependente, em relação a uma pessoa dependente cuja morte seja causada por um ato ilícito:

  • cônjuge, parceiro civil na aceção do Civil Partnership and Certain Rights and Obligations of Coabitants Act 2010, progenitor, avô, enteado, filho, neto, enteado, irmão, irmã, meio-irmão ou meia-irmã do falecido
  • Uma pessoa cujo casamento com o falecido tenha sido dissolvido por uma decisão de divórcio proferida ao abrigo da A ligação abre uma nova janelaLei da Família (Divorce) Act de 1996 ou ao abrigo da lei de um país ou jurisdição que não seja o Estado e que seja reconhecida nesse Estado,
  • uma pessoa cuja união de facto com o falecido tenha sido dissolvida por um decreto de dissolução concedido ao abrigo da Lei de 2010 relativa à união de facto e a determinados direitos e obrigações dos coabitantes, ou ao abrigo da lei de um país ou jurisdição que não seja o Estado e que seja reconhecida no Estado, ou
  • Uma pessoa que não tenha sido casada ou parceiro civil do falecido mas que, até à data do falecimento do falecido, viva com o falecido como coabitante do falecido, na aceção do artigo A ligação abre uma nova janela172.º da Lei de 2010 relativa à união de facto civil e a determinados direitos e obrigações, durante um período ininterrupto de, pelo menos, três anos,

«ato ilícito» inclui um crime.»

Posso receber uma indemnização se for familiar ou depender financeiramente de uma vítima que tenha sobrevivido a um crime? Que familiares ou dependentes podem ser indemnizados neste caso?

No âmbito do regime, as pessoas a cargo das vítimas só podem receber uma indemnização em caso de morte dessa vítima devido a um crime violento por elas vivido.

Posso receber a indemnização mesmo que não seja nacional de um país da UE?

Sim, bem como os residentes de todos os Estados-Membros da UE, qualquer visitante de outra jurisdição que sofra danos em resultado de um crime de violência quando se desloca à Irlanda pode solicitar uma indemnização ao Tribunal de Indemnização de Indemnização de Indemnização.

Posso reclamar a indemnização neste país se residir ou for nacional do mesmo (trata-se do país da minha residência ou nacionalidade) mesmo que o crime tenha sido cometido noutro país da UE? Posso fazê-lo em vez de reclamar a indemnização no país onde o crime foi cometido? Em caso afirmativo, em que condições?

Não, o Tribunal só pode atribuir uma indemnização por danos sofridos em consequência de um crime cometido no Estado ou a bordo de um navio ou aeronave irlandês. Nos termos da Diretiva 2004/80/CE, um requerente que tenha sido lesado num crime noutro Estado-Membro da UE pode apresentar um pedido nos termos do sistema do Estado-Membro em que o crime ocorreu.

A Comissão Europeia disponibiliza um portal em linha que estabelece os regimes de indemnização disponíveis nos Estados-Membros da UE. Disponível aqui.

Se residir na Irlanda e necessitar de assistência para apresentar um pedido a outro Estado-Membro da UE onde tenha sido ferido por um incidente criminoso, queira contactar o secretariado do Tribunal de Indemnização das Indemnizações Criminais, que tentará ajudá-lo e entrar em contacto com os seus homólogos na outra jurisdição, se necessário.

Tenho de ter denunciado o crime à polícia para poder pedir uma indemnização?

Sim, o regime exige que o crime tenha sido comunicado sem demora à An Garda Síochána, ou seja, à polícia irlandesa (ou à Comissão do Provedor de Justiça da Garda Síochána (GSOC) em todos os casos em que o crime é alegadamente cometido por um membro da An Garda Síochána). O requerente terá também de cooperar plenamente na investigação do incidente criminal por essas autoridades.

Devo aguardar pelo desfecho do inquérito policial ou processo penal para poder reclamar a indemnização?

Ao apreciar um pedido ao abrigo do regime, o Tribunal exige um relatório sobre o incidente da An Garda Síochána, ou seja, da polícia irlandesa (ou da Comissão do Provedor de Justiça da Garda Síochána (GSOC), se for caso disso) Quando estão previstos ou em curso processos judiciais cíveis e/ou penais relativos ao crime, o Tribunal aguardará normalmente a conclusão do processo judicial antes de apreciar o pedido.

Devo tentar obter primeiro uma indemnização da parte do autor do crime, caso este tenha sido identificado?

O regime não exige que a vítima peça, em primeiro lugar, uma indemnização ao autor da infração. No entanto, o regime prevê que não haverá dupla indemnização, pelo que, se for paga uma indemnização à vítima pelo autor do crime ou em seu nome pelo mesmo incidente, o Tribunal terá este facto em consideração ao assegurar que não existe uma dupla indemnização.

Caso o autor do crime não tenha sido identificado ou condenado, posso ainda assim receber uma indemnização? Em caso afirmativo, que provas devo apresentar para justificar o pedido?

Pode ainda ser elegível para indemnização em circunstâncias em que o autor da infração não tenha sido identificado ou condenado enquanto o crime tiver sido denunciado à An Garda Síochána.ou seja, à polícia irlandesa (ou à Garda Síochána Ombudsman Commission (GSOC), se for caso disso). É igualmente exigido que a An Garda Síochána (ou o GSOC, se for caso disso) apresente ao Tribunal um relatório sobre o incidente, confirmando o incidente criminal, a sua natureza e a sua investigação sobre o mesmo.

Existe algum prazo para reclamar a indemnização?

O regime prevê que o pedido deve ser apresentado por escrito o mais rapidamente possível após um crime de violência causadora de ferimentos, incluindo danos mortais, mas nunca depois de decorridos 3 meses a contar da data do evento que deu origem ao dano.

Se um pedido for apresentado tardiamente, ou seja, se for apresentado por escrito mais de 3 meses após o incidente, o regime permite ao Tribunal considerar os pedidos tardios como excecionais. Isto é válido por um período máximo de dois anos após o incidente e se o Tribunal considerar que as circunstâncias de tal aplicação tardia justificam esse tratamento excecional. Em caso de atraso no pedido, os requerentes devem justificar por escrito o atraso, indicando as circunstâncias no formulário de candidatura e explicando as razões do atraso. Tendo em conta a explicação fornecida, compete ao Tribunal decidir se deve ou não apreciar o pedido.

Nenhum pedido pode ser aceite pelo Tribunal se o facto gerador do dano tiver ocorrido mais de dois anos antes da data do pedido.

Que danos e despesas podem ser abrangidos pela indemnização?

Pode ser concedida uma indemnização pelos seguintes factos resultantes do incidente criminoso:

  • os custos garantidos relacionados com os cuidados pessoais e os custos médicos do requerente podem incluir uma indemnização concedida para prever adaptações domésticas/equipamento especializado de que a vítima necessite devido aos danos sofridos.
  • despesas de viagem garantidas, por exemplo, para beneficiar de cuidados médicos e pessoais decorrentes das lesões.
  • pagamentos de perda de rendimentos garantidos até à data e calculados (geralmente por um atuário) para o futuro, incorridos, se for caso disso, em consequência dos danos sofridos.
  • outras despesas de bolso e despesas especiais incorridas.
  • o requerente pode igualmente requerer o pagamento de quaisquer despesas incorridas com a obtenção de relatórios médicos ou outros relatórios de peritagem necessários para fundamentar um pedido apresentado ao Tribunal.

A indemnização é efetuada num pagamento único ou em prestações mensais?

Em geral, a indemnização é paga através de um pagamento único. Ocasionalmente, tal pode não ser possível quando o orçamento anual do Tribunal estiver esgotado. Em determinadas circunstâncias, o Tribunal pode decidir conceder uma indemnização provisória, a fim de cobrir as despesas comprovadas incorridas até à data, enquanto se aguarda a decisão sobre uma sentença final (por exemplo, durante a regularização das lesões).

De que forma pode o meu comportamento em relação ao crime, o meu registo criminal ou a falta de cooperação durante o processo de indemnização afetar as perspetivas de vir a receber uma indemnização e/ou o montante da mesma?

Nos termos do regime, não será devida qualquer indemnização se o Tribunal considerar que o requerente foi responsável, quer por provocação, quer por outro motivo, pela infração que deu origem aos seus danos, ou o Tribunal pode reduzir o montante da indemnização quando, na sua opinião, o requerente tenha sido parcialmente responsável pela infração.

Além disso, nos termos do regime, não será devida qualquer indemnização se o Tribunal considerar que o comportamento do requerente, a sua natureza ou o seu modo de vida não lhe permitem obter uma indemnização ou que o Tribunal pode reduzir o montante de uma indemnização quando, na sua opinião, seja adequado fazê-lo tendo em conta o comportamento, a natureza ou o modo de vida do requerente.

Tal como acima referido, é igualmente condição do regime que os requerentes cooperem com as autoridades policiais em relação ao incidente criminoso.

De que forma pode a minha situação financeira afetar as minhas perspetivas de receber uma indemnização e/ou o montante da mesma?

A sua situação financeira não afeta a sua elegibilidade para receber uma indemnização pelas lesões e perdas sofridas em consequência do incidente. No entanto, o Tribunal tem de assegurar que não existe dupla indemnização, pelo que, se tiver recebido prestações sociais desde o incidente, estas serão tidas em conta pelo Tribunal na determinação da indemnização.

Nos casos em que é concedida uma indemnização para incluir os pagamentos relativos à perda de rendimentos até à data ou no futuro, que tenham sido sofridos em consequência das lesões sofridas, o seu nível de remuneração até à data e o seu rendimento futuro previsto serão tidos em conta pelo Tribunal, tal como quaisquer pagamentos efetuados pelo seu empregador, por exemplo, por doença, etc.

Existem outros critérios que possam afetar as minhas perspetivas de vir a receber uma indemnização e/ou o montante da mesma?

As limitações e restrições relacionadas com a concessão de compensações ao abrigo do regime constam dos pontos 6 & 7 e 9-15, inclusive, do regime, que pode ser consultado no seguinte A ligação abre uma nova janelaendereço:

Como será calculada a compensação? Existe algum limite, mínimo ou máximo?

O atual nível mínimo de adjudicação é de 500 EUR. Atualmente, não existe um nível máximo de adjudicação.

É necessário indicar o montante da indemnização no formulário do pedido? Em caso afirmativo, posso receber instruções sobre como calcular a indemnização ou outros aspetos?

O Tribunal reembolsa as despesas certificadas, pelo que devem ser fornecidas as receitas correspondentes às despesas efetuadas. Normalmente, o secretariado do Tribunal contactá-lo-á para os solicitar logo que receba o formulário de candidatura. Além disso, em caso de perda de rendimentos, são normalmente necessárias informações sobre a sua remuneração por parte do seu empregador e/ou do Ministério da Proteção Social e das Receitas Públicas e, em caso de perda futura de rendimentos, é normalmente necessário um cálculo atuarial. Na fase da apresentação do pedido, os demandantes expõem normalmente os seus prejuízos e as despesas que tencionam reclamar e o secretariado do Tribunal acompanhará com o requerente a documentação pertinente.

As indemnizações por danos que venha eventualmente a receber de outras fontes (nomeadamente do meu empregador ou de um regime de seguros privado) devem ser deduzidas à indemnização paga pela autoridade ou organismo?

Ao abrigo do regime, aplica-se um princípio geral segundo o qual não pode haver dupla compensação. Ao tomar uma decisão sobre o seu pedido, qualquer outro pagamento que tenha recebido de outra fonte em resultado do incidente será tido em conta pelo Tribunal.

Posso obter um adiantamento da indemnização? Se sim, sob que condições?

Normalmente, a indemnização concedida é paga através de um pagamento único depois de o Tribunal ter proferido uma decisão final sobre o pedido de indemnização e ter sido aceite pelo requerente. No entanto, em determinadas circunstâncias, o Tribunal pode decidir que seja proferida uma sentença provisória, na pendência de uma decisão sobre uma sentença definitiva. Normalmente, o Tribunal só considerará a possibilidade de conceder uma decisão provisória quando houver motivos para adiar a adjudicação final (por exemplo, na pendência da resolução de problemas médicos) ou quando o requerente se encontre em dificuldades financeiras e as despesas documentadas (por exemplo, despesas médicas) sejam claramente elegíveis para reembolso.

Posso obter uma indemnização suplementar (por exemplo, na sequência de uma alteração das circunstâncias ou do agravamento do meu estado de saúde etc.) após ter sido proferida a decisão principal?

Não, uma vez que o Tribunal proferiu uma decisão e a sentença foi aceite pelo requerente e paga ao mesmo, não é possível obter uma indemnização adicional ou posterior.

Que documentos comprovativos devo juntar ao pedido?

O seu pedido deve ser apresentado através de um formulário de candidatura normalizado disponível A ligação abre uma nova janelaaqui.

Para além de apresentar um formulário de candidatura devidamente preenchido, ser-lhe-á pedido que inclua, se possível, uma cópia da sua declaração que comunica o incidente à An Garda Síochána, ou seja, à polícia irlandesa (ou à Comissão do Provedor de Justiça da Garda Síochána (GSOC) em todos os casos em que o crime seja alegadamente cometido por um membro da An Garda Síochána).

Ser-lhe-á igualmente exigido, conforme aplicável no seu caso, a apresentação de outros documentos comprovativos pertinentes (por exemplo, recibos de despesas incorridas) solicitados no formulário de candidatura. Tal pode incluir a necessidade de apresentar documentos comprovativos por parte do seu empregador e/ou das autoridades públicas, por exemplo, em caso de perda de rendimentos. Pode também ser necessário apresentar relatórios médicos ou outros relatórios de peritagem em função da natureza do seu pedido de indemnização. Normalmente, o secretariado do tribunal contacta o requerente aquando da receção do formulário de pedido de apresentação dos documentos comprovativos.

É necessário pagar alguma taxa administrativa ou de outro tipo pela tramitação do pedido?

N.º

Qual a autoridade competente para decidir sobre os pedidos de indemnização (nos processos nacionais)?

O Criminal Injuries Compensation Tribunal decide sobre os pedidos de indemnização apresentados ao abrigo do regime irlandês.

Para onde devo enviar o pedido (em processos nacionais)?

Os pedidos de indemnização ao abrigo do regime devem ser apresentados nos formulários de candidatura normalizados A ligação abre uma nova janelaaqui disponíveis.

As candidaturas completas devem ser enviadas para:

Criminal Injuries Compensation Tribunal
Department of Justice
Bishop’ Square
Redmond Hill
Dublin 2, D02 TD99

correio eletrónico: A ligação abre uma nova janelacriminalinjuries@justice.ie

Tenho de estar presente durante o processo e/ou quando o pedido for apreciado?

Ao abrigo do regime, uma decisão sobre um pedido é tomada em primeira instância com base apenas nos documentos apresentados, ou seja, sem audiência.

Uma decisão de primeira instância sobre um pedido pode ser tomada por um funcionário devidamente habilitado do Tribunal nos casos em que o montante solicitado não exceda 3,000 EUR.

Quando o montante solicitado for superior a 3,000 EUR, o pedido deve ser apresentado ao Tribunal para decisão em primeira instância. Se o montante solicitado for inferior a 75,000 EUR, o pedido será decidido em primeira instância por um único membro do tribunal e, se o montante solicitado for superior a 75,000 EUR, o pedido será decidido coletivamente por três membros do tribunal.

O secretariado notifica o requerente da decisão no momento da sua disponibilização. O requerente pode aceitar ou recorrer da decisão.

Se a decisão do tribunal de primeira instância for objeto de recurso por parte do requerente, este será convidado a comparecer numa audiência de recurso em que uma câmara de três membros do tribunal (excluindo os membros que tomaram a decisão inicial) aprecia o processo oralmente e profere uma decisão final coletiva.

A audiência de recurso terá lugar em privado e de forma informal, não necessitando de representação legal. A audição realiza-se geralmente à distância por teleconferência ou videoconferência na Internet ou, em determinadas circunstâncias, pode ser realizada no sítio Web. As decisões do Tribunal, ocultadas para suprimir informações pessoais, podem ser disponibilizadas ao público.

Quanto tempo demora (aproximadamente) a receber uma decisão da autoridade sobre um pedido de indemnização?

O tempo de tratamento dos pedidos ao abrigo do regime pode variar consideravelmente consoante o caso. O tempo envolvido dependerá geralmente da natureza e das circunstâncias específicas do caso, por exemplo, a eventual necessidade de obter informações complementares do requerente sobre o pedido, como relatórios médicos ou outros relatórios de peritos. Ao tomar uma decisão sobre um pedido, o Tribunal pode igualmente solicitar informações adicionais a outros organismos, como a polícia ou outras autoridades estatais. Quando estiver em curso um processo judicial, o Tribunal normalmente aguarda o resultado do processo.

O atual número de processos do Tribunal no momento da receção do pedido influenciará igualmente a duração do processo em causa.

Caso não concorde com a decisão da autoridade, posso impugná-la?

Se não estiver satisfeito com uma decisão de primeira instância do Tribunal, pode recorrer da decisão. Se o fizer, será convidado para uma audiência de recurso em que uma câmara de três membros do tribunal (excluindo o membro do Tribunal que tomou a decisão inicial) ouvirá o processo oralmente e tomará uma decisão coletiva. Analisarão novamente o pedido numa base «de novo». A decisão do Tribunal proferida na audiência de recurso é considerada a decisão final ao abrigo do regime. No entanto, a High Court irlandesa declarou que iria rever uma decisão do Tribunal em casos adequados, como os casos em que os princípios da justiça constitucional tenham sido violados ou em que o regime de indemnização tenha sido mal interpretado.

Onde posso obter os formulários necessários e outras informações úteis sobre como formular o pedido?

Estão disponíveis A ligação abre uma nova janelaaqui informações sobre os formulários necessários e outras informações sobre o regime.

Existe alguma linha de apoio ou sítio da Internet que me possa ajudar?

Estão disponíveis informações mais pormenorizadas sobre o regime irlandês, incluindo um conjunto de perguntas A ligação abre uma nova janelafrequentes.

Para mais informações, contactar o secretariado do Tribunal para o endereço ou número de telefone abaixo indicado.

Contactos:

Criminal Injuries Compensation Tribunal
Department of Justice
Bishop’ Square
Redmond Hill
Dublin 2
D02 TD99

Telefone:

+353 1 479 0290

Correio eletrónico:

A ligação abre uma nova janelacriminalinjuries@justice.ie

Posso beneficiar de assistência jurídica (de um advogado) na elaboração do pedido?

O regime destina-se a funcionar de forma informal, o que está definido nos termos e condições. Embora o requerente tenha sempre o direito de solicitar aconselhamento ou representação independente, incluindo aconselhamento jurídico e representação jurídica, o regime não prevê o reembolso das custas judiciais.

Existe alguma organização de apoio à vítima que me possa ajudar a reclamar a indemnização?

O secretariado do Tribunal prestará assistência aos requerentes e responderá a perguntas sobre o funcionamento do sistema.

Os serviços de apoio às vítimas estabelecidos na Irlanda podem também prestar-lhe assistência e aconselhamento na apresentação de um pedido ao abrigo do regime. Os pormenores de um vasto leque de organizações de apoio às vítimas, etc., são enumerados na seguinte A ligação abre uma nova janelapublicação da Carta das Vítimas.

Um destes serviços, o Irish Tourist Assistance Service (ITAS), especializado no apoio aos turistas vítimas de crimes durante a sua visita à Irlanda. Para mais informações sobre o ITAS, consultar A ligação abre uma nova janelaaqui.

O Itas pode ser contactado por correio eletrónico (info@itas.ieA ligação abre uma nova janela) e por telefone (+353 1 666 93 54). https://e-justice.europa.eu/tel:+353(0)16669354&plang=pt


O presente texto é uma tradução automática. O proprietário da página declina qualquer responsabilidade pela qualidade do texto traduzido automaticamente.

Última atualização: 28/05/2021