Fermer

LA VERSION BÊTA DU PORTAIL EST DISPONIBLE!

Consultez la version bêta du portail européen e-Justice et faites-nous part de votre expérience!

 
 

Chemin de navigation

menu starting dummy link

Page navigation

menu ending dummy link

Direito dos Estados-Membros - Irlanda

Cette page a été traduite automatiquement: sa qualité ne peut pas être garantie.

La qualité de cette traduction a été évaluée comme: bonne

Estimez-vous que cette traduction est utile?

Esta página dá informações sobre o sistema jurídico da Irlanda.


Ordem jurídica

1 Instrumentos jurídicos/fontes de direito

1.1 Fontes nacionais

A Constituição da Irlanda (na língua irlandesa, Bunreacht na hÉireann), que entrou em vigor em 29 de dezembro de 1937, constitui a lei de base ou o direito fundamental do Estado. Estabelece as instituições e os aparelhos de Estado e prevê a separação tripartida de poderes no poder executivo, legislativo e judiciário. Além disso, garante os direitos fundamentais que foram objeto de uma interpretação e extensão rigorosas por parte dos tribunais.

O direito primário é constituído pelas leis adotadas pelo Oireachtas (Parlamento), constituído pelo Presidente da Irlanda, pelo Seanad Éireann (Câmara Alta) e pelo Dáil Éireann (Câmara Baixa). A legislação primária está dividida em: Atos de alteração da Constituição, que devem ser aceites pelo povo num referendo para se tornarem efetivos; Atos gerais públicos de aplicação geral; e os atos privados, que são orientados para o comportamento de um determinado indivíduo ou grupo de indivíduos.

O direito derivado é um mecanismo através do qual o Oireachtas pode delegar poderes legislativos a um ministro do governo ou a uma autoridade específica. O poder de adotar legislação delegada deve ser expressamente conferido pelo direito primário e reger o seu exercício — os princípios e as políticas a aplicar devem ser enunciados de forma clara e inequívoca no ato de base e ser rigorosamente seguidos pela autoridade que faz o direito derivado. Os instrumentos estatutários são a forma mais comum de direito derivado, mas também podem assumir a forma de regulamentos, ordens, regras, regimes ou disposições regulamentares.

Por força do artigo 50.º da Constituição, mantêm-se em vigor as leis anteriores a 1922 relativas à Irlanda (por exemplo, leis do Parlamento do Reino Unido) e as medidas adotadas pelo Estado Livre da Irlanda (1922-1937), que não são incompatíveis com a Constituição. Muitas das leis anteriores a 1922, que não tinham qualquer relevância para a Irlanda, foram revogadas pelos Atos de Revisão do Estatuto 2005-2012.

O sistema jurídico irlandês é um sistema de direito comum, o que significa que a lei nacional é uma importante fonte de direito. Segundo a doutrina do precedente, ou stare decisis, o tribunal é obrigado a seguir as decisões em processos anteriores, nomeadamente as decisões de tribunais superiores. No entanto, trata-se de uma política e não de uma regra não vinculativa. Este corpo legislativo inclui regras, princípios gerais, regras de construção e limites máximos. A doutrina do stare decisis estabelece uma distinção entre a ratio decidendi, a parte vinculativa de uma decisão que deve ser seguida, e obiter dictum, as observações feitas por um juiz no âmbito de um processo sobre questões que, no caso em apreço, estavam presentes ou não eram relevantes, ou que foram feitas de modo a não requerer uma decisão. O obiter dictum não é vinculativo em casos futuros, mas pode ser persuasivo.

1.2 Direito da União Europeia

Uma vez que a Irlanda é membro da União Europeia (UE), o direito da UE é uma parte importante da ordem jurídica do Estado. As obrigações decorrentes da adesão à UE implicam que a Constituição e outras leis nacionais sejam subordinadas ao direito da UE sempre que a Comunidade tenha competência. Foi necessária uma alteração da Constituição para autorizar o Estado a aderir à UE e evitar um conflito entre as disposições da Constituição e o direito da UE.

1.3 Fontes internacionais

A Irlanda é signatária de muitos acordos e tratados internacionais e é membro de muitas organizações internacionais. A Constituição prevê que a Irlanda aceita os princípios geralmente reconhecidos de direito internacional que regem as relações entre Estados.

A Irlanda é um Estado dualista e para ter legitimidade processual formal no Estado, em oposição aos Estados, os acordos internacionais devem ser incorporados no direito interno pelo Oireachtas.

A Irlanda é signatária da Convenção Europeia dos Direitos do Homem desde 1953 e, desde então, através das obrigações jurídicas internacionais do Estado, os cidadãos podem invocar as suas disposições perante o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. O efeito jurídico interno foi dado às disposições da Convenção através da Convenção Europeia dos Direitos do Homem de 2003, que incorporou a CEDH no direito irlandês.

2 Outras fontes

Na ausência de normas jurídicas formais, o advogado pode citar um advogado e um tribunal para tomar a sua decisão. Embora haja debate sobre a questão de saber se deve ou não se aplicar de todo e que a sua influência pode ter diminuído nos últimos anos, o direito natural e os direitos naturais têm sido invocados pelos tribunais na interpretação da Constituição e na enumeração dos direitos constitucionais não especificamente previstos no texto da Constituição.

3 Hierarquia das fontes jurídicas

A Constituição encontra-se no vértice do sistema jurídico da Irlanda. A legislação e as decisões e práticas governamentais e administrativas podem ser revistas em relação à Constituição para o seu cumprimento.

A Constituição prevê, contudo, que não invalidará quaisquer atos ou medidas decorrentes da adesão à UE. Tal está previsto no n.º 4.6 do artigo 29.º da Constituição. Assim, o direito da UE prevalece sobre todas as leis nacionais, incluindo a Constituição. Devido ao facto de a legislação da UE prever que os métodos da sua execução devem ser determinados pelos requisitos processuais nacionais, os instrumentos de aplicação do direito da UE devem ainda estar em conformidade com os requisitos processuais constitucionais.

A Convenção Europeia dos Direitos do Homem de 2003 permite aos particulares invocar as disposições da CEDH perante os tribunais irlandeses. A CEDH foi integrada a nível subconstitucional e a Constituição mantém o primado. A lei exige que os tribunais interpretem e apliquem as disposições nacionais, na medida do possível, em conformidade com os preceitos contidos na CEDH. Se a legislação nacional não for conforme com a CEDH, emitirá uma declaração de compatibilidade.

Os tribunais consideraram que os princípios do direito consuetudinário internacional fazem parte do direito nacional por força do artigo 29.º, n.º 3, da Constituição, mas apenas na medida em que não sejam contrários à Constituição, à legislação ou ao direito comum. Os acordos internacionais só podem ser ratificados se estiverem em conformidade com a Constituição, caso contrário será necessário realizar um referendo.

A legislação pode ser substituída ou alterada pela legislação subsequente. O direito derivado pode ser substituído pelo direito primário, bem como o poder de delegação de legislação derivada, mas o direito derivado não pode prevalecer sobre a legislação primária. Os tribunais podem adotar legislação com o fundamento de que não são válidos, tendo em conta as disposições da Constituição (legislação pós-1937) ou que são incompatíveis com a Constituição (legislação anterior a 1937).Existe uma presunção de que a legislação pós-1937 é coerente com a Constituição.

As decisões dos tribunais podem ser substituídas por atos legislativos ou constitucionais e por decisões subsequentes de tribunais de grau igual ou superior.

4 Entrada em vigor de instrumentos supranacionais

A Constituição, na sua redação inicial, não era compatível com o direito comunitário. Por exemplo, previa que o Oireachtas era o único órgão regulador do Estado. Por esta razão, foi introduzida na Constituição uma disposição que prevê que esta não invalida qualquer lei, ato ou medida imposta pela adesão à UE. No entanto, foi decidido que, se o âmbito de aplicação e os objetivos forem alterados, por exemplo, através de um novo Tratado, tal deve ser efetuado através de um referendo para o povo e, caso seja aceite pelo povo, será inserida uma disposição que confirme que o Estado pode ratificar o referido Tratado.

Se o direito da UE exigir a transposição pelo Estado, esta é aplicada pelo direito primário ou mais geralmente através de um instrumento legal adotado pelo governo ou por um ministro do governo.

De acordo com a Constituição, os acordos internacionais passarão a fazer parte do direito interno se o Oireachtas assim o determinar. Trata-se geralmente de um ato e de um exemplo da Convenção Europeia dos Direitos do Homem. 2003. por força da qual a Convenção foi incorporada no direito interno, com a consequência de que os particulares podem invocar as suas disposições perante os tribunais nacionais.

5 Autoridades competentes para adotar normas de direito

A Constituição prevê que o Oireachtas, composto pelo Dáil (Câmara Baixa) e pelo Seanad (Câmara Alta) e pelo Presidente, tem «o poder exclusivo e exclusivo de estabelecer leis para o Estado», sob reserva das obrigações decorrentes da adesão à Comunidade, tal como previsto na Constituição. A legislação proposta sob a forma de projeto de lei deve ser assinada pelo Presidente para entrar em vigor e, se o Presidente tiver dúvidas quanto à constitucionalidade da lei proposta pela Billa, pode convocar o Conselho de Estado e, se necessário, remeter a Billit para a Supreme Court para determinação nos termos do artigo 26.º da Constituição. .

Tal como acima referido, o Oireachtas pode delegar poderes para apresentar legislação a um Ministro do Governo ou outra autoridade e este poder está estritamente circunscrito pelo instrumento delegante. As diretivas da UE são geralmente aplicadas através do Instrumento Estatutário apresentado por um Ministro. O poder de legislar pode ser delegado em diversos organismos, tais como Ministros do Governo, conselhos de administração, organismos semiestatais, organismos reguladores, organismos especializados e autoridades locais.

Nos termos da Constituição, o governo é responsável pela realização de relações externas e pode assinar tratados e acordos internacionais e aderir a organizações internacionais sujeitas a requisitos constitucionais.

Nos termos do direito comum, a lei é vinculativa.

6 Processo de adoção de normas jurídicas

6.1 Constituição

A primeira fase de uma alteração à Constituição, nos termos do artigo 46.º, visa dar início a um projeto de lei no Dáil. Este projeto de lei tem de ser transmitido por ambas as câmaras do Oireachtas e deve, em seguida, ser apresentado num referendo ao povo para a sua afirmação ou rejeição. A proposta será considerada aprovada pelas pessoas se a maioria dos votos expressos for favorável à sua entrada em vigor.Uma proposta de referendo que não altere a Constituição será vetada quando a maioria dos votos é contra a proposta e os votos contra a proposta ascendem a pelo menos um terço dos eleitores inscritos no registo. O projeto de lei deve ser expresso em «Um ato para alterar a Constituição» e não deve conter qualquer outra proposta. Caso seja aprovado pelo povo, o Presidente deve assinar o projeto de lei, «[...] é devidamente promulgado como lei pelo presidente.»

6.2 Procedimento legislativo

O primeiro passo para a elaboração de legislação primária é geralmente a elaboração de um projeto de lei em duas câmaras do Oireachtas. Qualquer projeto de lei iniciado pelo Dáil deve ser enviado ao Seanad para consideração e as alterações que o Dáil está obrigado a tomar em consideração. Contudo, se um projeto de lei for iniciado e transmitido no Seanad, e posteriormente alterado pelo Dáil, considera-se que o mesmo foi iniciado pelo Dáil e que deve voltar a analisar o Seanad.

Antes da promulgação de um projeto de lei, este deve ser aprovado por ambas as Câmaras do Oireachtas e deve ser assinado pelo presidente. No decurso da sua passagem legislativa, um projeto de lei pode ser submetido a alterações do Dáil e do Seanad. No entanto, a Constituição consolida a supremacia do Dáil eleito pela população; O artigo 23.º prevê que, se o Seanad tiver rejeitado ou alterado um projeto de lei contrário aos desejos do Dáil, o Dáil deverá aprovar uma resolução no prazo de 180 dias que considera que o projeto de lei foi aprovado por ambos. o Seanad tem o poder de adiar um projeto de lei até 90 dias, mas não tem o poder de impedir que se torne uma lei ou de o alterar, a menos que o Dáil dê o seu acordo.

A grande maioria dos projetos de lei é iniciada pelo Dáil Eireann por um ministro do governo.

Os títulos de dinheiro (por exemplo, outros que tratem da imposição, revogação, dispensa de pagamento ou alteração ou regulação dos impostos e taxas que envolvam fundos públicos) só podem ser iniciados e transmitidos pelo Dáil Éireann. Este tipo de projeto de lei é enviado ao Seanad para «recomendações».

A última etapa do processo legislativo é que o Presidente assine o projeto de lei. O Presidente pode, após consulta do Conselho de Estado, apresentar ao Supremo Tribunal um projeto de lei ou uma secção específica de projeto de lei para determinar a constitucionalidade. Trata-se de uma referência do artigo 26.º A partir do momento em que o Supremo Tribunal decida que o projeto de lei é constitucional, nunca pode voltar a ser impugnado por motivos constitucionais perante os tribunais e o Presidente é obrigado a assiná-la em lei. Se se determinar que o projeto de lei é reputant para a Constituição, o Presidente deverá abster-se de o assinar.

6.3 Direito Derivado

É geralmente previsto nos estatutos da empresa-mãe que a legislação delegada que autoriza possa ser anulada ou aprovada pelo Oireachtas. Estas disposições preveem, de um modo geral, que os instrumentos sejam «previstos» numa ou em ambas as Câmaras do Oireachtas que podem anulá-la dentro de um determinado prazo. Todo o direito derivado de execução das medidas da UE está sujeito a este mecanismo de anulação. Após a aprovação, alguns instrumentos legais devem ser depositados em bibliotecas designadas e deve ser publicado um aviso de entrada em vigor no jornal oficial irlandês — A ligação abre uma nova janelaIris Oifigiúil.

6.4 Direito internacional

O governo pode assinar tratados ou acordos internacionais ou aderir a organizações internacionais; no entanto, foi decidido que o governo não o pode fazer se se tratasse de ter o poder legislativo exclusivo atribuído ao Oireachtas ou de violar a Constituição. Por esta razão, os tribunais têm decidido que os Tratados que alterem o âmbito de aplicação e os objetivos da União Europeia não podem ser afetados pelo governo, a menos que sejam aceites pelo povo num referendo constitucional.

7 Entrada em vigor ou normas nacionais

As alterações à Constituição entram em vigor após a sua aceitação pelas pessoas e a proposta de alteração foi assinada pelo Presidente.

Um projeto de lei passa a ser lei no dia em que é assinado pelo Presidente e produz efeitos nesse dia, a menos que o contrário esteja previsto na lei. Regra geral, o Presidente não assina um projeto de lei antes do 5.º dia ou depois do 7.º dia após a sua apresentação. Um ato pode especificar a data a partir da qual produz efeitos ou pode prever que um Ministro possa dar início a uma «ordem de início» (direito derivado) para pôr em vigor a lei ou parte dela. O Presidente é obrigado a promulgar um projeto de lei através da publicação de um anúncio no Iris Oifigiúil, declarando que se tornou lei.

O direito derivado especificará a data da sua entrada em vigor.

As decisões judiciais têm geralmente vigor a partir do dia em que são proferidas.

8 Meios de resolução de conflitos entre diferentes fontes jurídicas

Compete aos tribunais determinar eventuais conflitos entre diferentes regras ou fontes jurídicas.

Sob reserva da posição superior do direito da UE, a Constituição é o direito fundamental do Estado e prevalece em qualquer conflito com outras leis. Nos termos do artigo 34.º da Constituição, as pessoas podem contestar a validade constitucional da legislação perante a High Court. Essa decisão pode ser objeto de recurso para o Supremo Tribunal. Os indivíduos podem igualmente alegar que os seus direitos constitucionais ou processo constitucional foram violados pelas ações do Estado.

Presume-se que a legislação adotada após a adoção da Constituição de 1937 está em conformidade com a Constituição até ao contrário.

Podem surgir circunstâncias em que as disposições da Constituição, nomeadamente as disposições relativas aos direitos fundamentais, possam, em certa medida, entrar em conflito. Os tribunais têm utilizado vários mecanismos para tomar decisões nestes casos, incluindo a interpretação literal ou gramatical, a abordagem histórica, a abordagem teleológica ou harmoniosa, a doutrina da proporcionalidade, a abordagem da hierarquia dos direitos e o compromisso em matéria de direito natural e de direitos naturais.

Registaram-se casos em que, na sequência de uma decisão constitucional impopular ou de uma interpretação pelos tribunais, foi realizado um referendo para alterar a Constituição.

Se uma pessoa singular alegar que os seus direitos ao abrigo da Convenção Europeia dos Direitos do Homem foram violados por legislação, pode solicitar uma declaração de compatibilidade dos tribunais.

A legislação da UE goza de imunidade constitucional, uma vez que a Constituição prevê que não invalidará quaisquer atos ou medidas decorrentes da adesão, embora os meios de execução desses atos ou medidas devam respeitar a Constituição.

Para além das questões constitucionais, a validade da legislação delegada será avaliada pela sua conformidade com o seu estatuto.

Para mais informações sobre o sistema jurídico irlandês, a legislação e a Constituição, consultar os seguintes sítios:

A ligação abre uma nova janelahttp://www.taoiseach.ie/

A ligação abre uma nova janela http://www.courts.ie/Judgments.nsf/Webpages/HomePage?OpenDocument

A ligação abre uma nova janelahttp://www.irishstatutebook.ie

A ligação abre uma nova janelahttp://www.bailii.org/


O presente texto é uma tradução automática. O proprietário da página declina qualquer responsabilidade pela qualidade do texto traduzido automaticamente.

Última atualização: 23/10/2019