Bezárás

MÁR ELÉRHETŐ A PORTÁL BÉTA VERZIÓJA!

Látogasson el az európai igazságügyi portál béta verziójának felületére, és mondja el nekünk, milyennek találja!

 
 

menu starting dummy link

Page navigation

menu ending dummy link

Tribunais ordinários - Irlanda

Ez az oldal gépi fordítás eredménye – a fordítás minőségét nem áll módunkban garantálni.

Az értékelés alapján ennek a fordításnak a minősége:

Ön szerint használható ez a fordítás?

Esta secção fornece informações sobre a organização dos tribunais ordinários na Irlanda.


Tribunais ordinários

O sistema judicial na Irlanda tem origem na Constituição de 1922, que previa a criação de novos tribunais para substituir os que tinham evoluído ao abrigo da administração britânica. Em 1924, foram criados novos tribunais ao abrigo da Lei dos Tribunais de Justiça, de 1924, que estabeleceu a base jurídica de um sistema judicial.

Os presentes tribunais foram criados pelos Tribunais (Constituição e Constituição) de 1961, nos termos do artigo 34.º da Constituição adotada pelo povo irlandês em 1937. O Tribunal de Recurso foi criado em 29 de outubro de 2014, na sequência de um referendo realizado em 2013.

Os artigos 34.º a 37.º da Constituição dizem respeito à administração da justiça em geral. O artigo 34.º, n.º 1, dispõe que «a justiça é administrada nos tribunais estabelecidos por lei». A Constituição define a estrutura do sistema judicial constituído por um tribunal de última instância, o Supremo Tribunal, o Tribunal de Recurso competente em matéria penal e civil, e os tribunais de primeira instância, que incluem um tribunal superior com plena jurisdição em todas as matérias penais e civis e tribunais de competência limitada, um tribunal de círculo e um tribunal distrital organizado numa base regional.

Juízos Cíveis

O Supremo Tribunal

Foram introduzidas alterações significativas na jurisdição do A ligação abre uma nova janela Supremo Tribunal, com a entrada em vigor em 28 de outubro de 2014, da trigésima terceira alteração da Constituição, que criou o Tribunal de Recurso. A partir do dia da sede, o Supremo Tribunal tem jurisdição em segunda instância —

  1. de uma decisão do Tribunal de Recurso, se o Supremo Tribunal considerar que a decisão diz respeito a uma questão de interesse público geral, ou no interesse da justiça, é necessário que seja interposto recurso para o Supremo Tribunal; e
  2. de uma decisão da High Court se considerar que existem circunstâncias excecionais que justifiquem um recurso direto para o Supremo Tribunal — uma condição prévia para que o Supremo Tribunal esteja preenchido é a presença de um ou ambos os seguintes fatores — a decisão diz respeito a uma questão de interesse público geral; os interesses da justiça.

Os recursos no âmbito de processos cíveis do Supremo Tribunal que, antes da terceira alteração, teriam sido ouvidos pelo Supremo Tribunal, cabe agora ao Tribunal de Recurso, exceto nos casos em que o Supremo Tribunal tenha permitido recorrer para o Tribunal de Justiça por considerar que o recurso respeita o limiar previsto no artigo 34.º, n.º 5.4, da Constituição. Além disso, as questões de direito que podiam anteriormente ser submetidas pelo Tribunal de círculo à Supreme Court para determinação («processo declarado») são agora determináveis pela Court of Appeal.

A terceira alteração não afetava a competência original do Supremo Tribunal que, na realidade, consiste na função prevista no artigo 26.º da Constituição. O artigo 26.º prevê que o Supremo Tribunal tem o poder de decidir se um projeto de lei (ou qualquer disposição ou disposição da mesma), que foi transmitido por ambas as Câmaras do Oireachtas e apresentado ao Presidente da Irlanda para assinatura, antes de ser transposto para o direito, tem legitimidade, sendo a questão submetida ao tribunal pelo Presidente. Se surgir uma questão de incapacidade permanente do presidente, essa questão deve ser decidida pelo Supremo Tribunal.

O Tribunal reúne, normalmente, com uma composição de três ou cinco juízes e, excecionalmente, sete juízes. Ao ouvir os processos relativos à validade constitucional de uma lei do Oireachtas (parlamento), a Constituição exige que o tribunal seja composto por um mínimo de cinco juízes. Este requisito também se aplica quando é solicitado ao Tribunal de Justiça que emita um parecer sobre a validade constitucional de um projeto de lei adotado pelo Oireachtas que lhe seja submetido pelo Presidente da Irlanda nos termos do artigo 26.º da Constituição. É igualmente necessário um mínimo de cinco juízes para determinar, nos termos do artigo 12.º da Constituição, se o Presidente se tornou incapacitante. O juiz principal ou um juiz do Supremo Tribunal só pode conhecer de certas medidas interlocutórias e processuais.

Tribunal de Recurso

O Tribunal de Recurso foi criado em 29 de outubro de 2014, na sequência de um referendo realizado em 2013. Tal como acontece com outros tribunais superiores, algumas das competências da Court of Appeal são conferidas pela Constituição e algumas pela legislação. Dispõe de um órgão jurisdicional de recurso entre a High Court e o Supremo Tribunal.

O Tribunal de Justiça é competente para conhecer de recursos no âmbito de processos cíveis da High Court que, antes da 33.ª Alteração da Constituição, teria sido ouvida pela Supreme Court. As exceções são os casos em que o Supremo Tribunal permitiu um recurso para o Supremo Tribunal se considerar que o recurso corresponde ao limiar estabelecido no artigo 34.º, n.º 5.4, da Constituição. O Tribunal de Justiça pode conhecer de recursos de decisões proferidas na High Court sobre a questão de saber se uma lei é ou não constitucional. A Constituição prevê que não pode ser aprovada nenhuma lei que limite a competência da Court of Appeal para o fazer.

O Tribunal de Recurso é composto por um presidente e nove juízes ordinários. O Presidente do Supremo Tribunal e o Presidente da High Court são juízes ex officio da Court of Appeal. O Tribunal pode reunir em secções de três juízes. Algumas medidas provisórias e processuais podem ser ouvidas apenas pelo Presidente ou por outro juiz nomeado pelo Presidente.

O High Court

Nos termos da Constituição, a High Court tem plena jurisdição e competência para determinar todas as questões e questões, de direito ou de facto, civis ou penais. A High Court tem competência exclusiva em matéria de adoção dos filhos e no que diz respeito aos pedidos de extradição. A jurisdição da High Court abrange a questão da validade de qualquer lei, tendo em conta as disposições da Constituição (exceto uma lei que já foi submetida à Supreme Court pelo presidente da Irlanda). A maior parte dos processos em High Court são julgados por um juiz singular, embora existam disposições de direito em determinadas matérias, tais como ações de calúnia, agressão ou pena de prisão falsa, a ser julgada por um juiz com júri. Os casos de excecional importância podem ser julgados por dois ou mais juízes em tribunal.

A High Court atua como órgão jurisdicional de recurso da Circuit Court em matéria civil. Para além do seu órgão jurisdicional de recurso no Tribunal de Primeira Instância, a High Court tem também o poder de rever as decisões de todos os tribunais inferiores através da emissão de ordens de mandatos de mandatos de mandatos, a proibição e a Certiorari. Estas ordens não dizem respeito ao mérito da decisão dos tribunais inferiores, mas à questão de saber se a competência foi ultrapassada.

A High Court pode pronunciar-se sobre uma questão de direito apresentada pelo tribunal de primeira instância. Trata também dos pedidos de caução em que a pessoa acusada foi acusada de crime de homicídio ou quando o arguido pretenda alterar os termos e condições impostos pelo tribunal distrital.

Normalmente, a High Court (Supremo Tribunal) reúne em Dublim para conhecer as ações iniciais. Está também presente numa série de plataformas provinciais para ouvir as ações iniciais de indemnização por danos corporais e pessoais. A High Court (Tribunal Superior de Recurso) é competente para conhecer dos recursos interpostos pelo Tribunal de círculo de instâncias provinciais.

Tribunal de círculo

A jurisdição civil da A ligação abre uma nova janela Circuit Court é limitada, a não ser que todas as partes de uma ação dê o seu consentimento, caso em que a jurisdição é ilimitada. O limite da competência do tribunal diz principalmente respeito a ações em que o pedido não excede 75,000 EUR (60,000 EUR em ações de danos pessoais).

O Circuit Court tem jurisdição em matérias relacionadas com os títulos e em matéria de propriedade de imóveis em que a avaliação tributável dos bens imóveis não excede 253,95 EUR. O Circuit court também é competente em matéria de direito da família, incluindo a separação judicial, o divórcio, a nulidade e o recurso do tribunal de comarca.

A apreciação das ações cíveis instauradas no Circuit Court é da responsabilidade de um juiz, não havendo intervenção de nenhum júri. Atua na qualidade de órgão jurisdicional de recurso do tribunal de primeira instância, tanto em matéria civil como penal. O recurso tem a forma de uma nova audiência e a decisão da Circuit Court é definitiva e não pode ser objeto de novo recurso.

O Circuit Court também é competente em todos os casos de pedidos de novas licenças de venda de bebidas alcoólicas para consumo nas instalações e tem jurisdição de recurso das decisões de tribunais, como o diretor de inquéritos sobre a igualdade.

Tribunal de Primeira Instância

A ligação abre uma nova janela tribunal distrital tem competência local e limitada. Em matéria de direito da família, tem o poder de emitir ordens de manutenção, exceto de guarda, de guarda, de acesso e de adesão.

O tribunal de comarca é competente para julgar os processos cíveis com base em contratos, contratos de locação a prazo ou contratos de compra e venda, ilícito e não pagamento de uma renda ou uma retenção indevida de mercadorias, quando o valor do pedido não exceda 15,000 EUR. Tem igualmente competência em relação à execução, em geral, das sentenças em matéria de dívidas de qualquer tribunal, à competência em relação a um grande número de disposições em matéria de licenciamento, por exemplo, relativas à venda de licor de toxicidade e à competência em relação a pedidos de indemnização mal-intencionada, caso o montante reclamado não exceda 15,000 EUR.

O tribunal de comarca funciona em todo o país em 24 distritos que compõem a área metropolitana de Dublim e 23 outros distritos. Em geral, o local em que o processo é ouvido depende do local onde o contrato foi celebrado ou em que o requerido reside ou exerce a sua atividade, ou em processos de licenciamento, em que se situa o estabelecimento autorizado.

Tribunais penais

O Supremo Tribunal

O Supremo Tribunal ocupa-se dos recursos da Court of Appeal nos casos em que é suscitada uma questão de direito de importância pública excecional.

Tribunal de Recurso

Nos termos da Lei de 2014 do Tribunal de Recurso, o Tribunal de Recurso foi chamado a pronunciar-se em sede de recurso para o Tribunal de Justiça.

Os recursos das pessoas condenadas por uma acusação no Circuit Court ou no Tribunal Penal Central, que obtêm um certificado do juiz competente para apreciar o processo, pertencem agora ao Tribunal de Recurso. Em caso de recusa deste certificado, a própria Court of Appeal pode, em sede de recurso, conceder uma autorização de recurso.

Além disso, o Diretor dos Ministérios Públicos pode recorrer para o Tribunal de Recurso, por motivos de não aplicação do pedido de clemência nos termos da Lei da Justiça Penal de 1993, secção 2. No caso de um alegado erro judiciário, pode ser interposto recurso ao abrigo do § 2 da Lei de 1993 sobre o Processo Penal.

A Court of Appeal foi igualmente competente para conhecer de um recurso interposto pelo diretor do Ministério Público sobre uma questão de direito resultante de um processo penal que resultou numa absolvição. A decisão da Court of Appeal não afeta o veredicto de absolvição em tais casos.

Recursos interpostos pelo Diretor do Ministério Público contra uma absolvição ou contra uma decisão de não ordenar também um novo julgamento cabe também ao Tribunal de Recurso. Nos termos da Lei de 2014 do Tribunal de Recurso, foi atribuída à Court of Appeal a competência de recurso anteriormente exercida pelo Tribunal de Segunda Instância de Tribunal de Segunda Instância. Isto significa que os recursos de pessoas que tenham sido condenadas por um tribunal estão agora perante a Court of Appeal.

Tribunal Penal

Nos termos da Lei de 2014 do A ligação abre uma nova janela Tribunal de Recurso, o tribunal de recurso foi transferido para a Court of Appeal.

Tribunal Penal Especial

A ligação abre uma nova janela Tribunal Penal Especial foi criado para o julgamento de infrações em que se determinou que os tribunais comuns são inadequados para garantir a administração eficaz da justiça e a preservação da paz e da ordem públicas. O tribunal reúne com três juízes e sem júri.

Tribunal Penal Central

A ligação abre uma nova janela Tribunal Penal Central é a divisão criminosa da High Court. Procura crimes graves, incluindo crimes de homicídio, violações, traição e pirataria e julgamentos criminais ao abrigo da lei da concorrência de 2002. O tribunal reúne com um juiz e um júri.

Circuito de circuito

O Tribunal Penal de Circuit tenta infrações diferentes das que podem ser julgadas no Tribunal Penal Central. Reúne com um juiz e um júri. Trata dos recursos do tribunal de comarca.

Tribunais de comarca

O tribunal distrital trata de infrações sumárias (na sua maioria, de natureza legal) e de algumas infrações indicativas. Só reúne com um juiz.


O presente texto é uma tradução automática. O proprietário da página declina qualquer responsabilidade pela qualidade do texto traduzido automaticamente.

Última atualização: 30/10/2019